Jesus é quem disse que é?

JESUS É QUEM DISSE QUE É?


Porque será que o Cristianismo é diferente de todas as outras religiões no mundo? A resposta centra-se na Pessoa de Jesus Cristo. Jesus, Filho de Deus o Pai e Segunda Pessoa da Trindade, é a figura central da nossa Mensagem.

Hoje, muitas vozes fazem outras reivindicações. Os ateus dizem que Deus não existe. O politeísmo permite que Jesus seja um de muitos deuses. Nós, como “embaixadores de Cristo” , ousadamente ecoamos a soante convicção do Apóstolo Pedro quando afirmou “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” O título Cristo significa “ungido.” Na língua grega é o termo usado para a palavra hebraica antiga Messias, o ungido que Deus enviaria para salvar o Seu Povo. Pedro e alguns dos seus companheiros, os primeiros crentes da Igreja Cristã primitiva, reconheceram Jesus Cristo como o Messias prometido no Antigo Testamento. Esse período na História Mundial foi desencorajador e de desespero. O Messias prometido brilhava como um farol na escuridão e a Sua luz nunca enfraqueceu. “A Vida estava Nele, e a Vida era a Luz dos homens… a verdadeira Luz que, vinda ao mundo, ilumina a todo Homem.”

Hoje, quando os líderes mundiais se debatem com problemas aparentemente inultrapassáveis, à medida que nuvens de tempestade se juntam à volta do Globo, esta escura e ameaçadora situação simplesmente acentua o brilho daquele que proclamou “eu sou a Luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas, pelo contrário, terá a Luz da vida.” . Ele é “…o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” . Ele é o Messias prometido do antigo Israel. Ele é a Esperança para os que não têm esperança, gentios desamparados – o que inclui a maioria da população mundial, seja ela africana, asiática, americana ou europeia.

A imagem de Jesus pode ser adaptado às diferentes nacionalidades, culturas, tribos ou grupos étnicos, contudo as verdades essenciais do Evangelho não mudam. Todas as coisas foram criadas por Ele e Ele sustém toda a Criação, assim a mensagem da Sua Graça redentora é aplicável a todos. Os factos que dizem respeito ao Seu nascimento virginal, à Sua vida sem pecado (erros), à Sua morte sacrificial e em nosso lugar, à Sua ressurreição e à Sua ascensão à direita do Pai, e à gloriosa esperança da Sua vinda não devem ser de maneira alguma diluídos ou distorcidos.

Jesus não é apenas o Cristo, Ele é também “Deus e Salvador Cristo Jesus.” Esta é a espantosa e quase incompreensível verdade: Deus, Ele próprio, veio a este planeta na Pessoa do Seu único Filho. A encarnação e a completa divindade de Jesus são os pilares da Fé Cristã. Jesus Cristo não foi apenas um grande mestre ou um líder religioso santo. Ele era o próprio Deus em carne humana – completamente Deus e completamente Homem.

Jesus, Ele mesmo, afirmou frequentemente a Sua singularidade e a Sua natureza divina. Aos seus opositores declarou “(…)Antes que Abraão existisse Eu Sou.” Eles imediatamente reconheceram isto como uma clara reivindicação de divindade e tentaram apedrejá-Lo por blasfémia. Noutra ocasião Jesus declarou “Eu e o Pai somos um. ” . E mais uma vez os seus inimigos tentaram apedrejá-Lo “…pois, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo.”  A acusação contra Ele no seu julgamento era que “… a si mesmo se fez Filho de Deus.” E quando Lhe perguntaram se era o Filho de Deus respondeu “vós dizeis que eu sou.”

Que provas Jesus ofereceu de que era verdadeiramente Deus tornado em forma humana?

Em primeiro lugar a prova da Sua Vida perfeita, sem erros, algo impossível a qualquer ser humano, nem mesmo sendo o Papa ou Dalai Lama. Ele perguntava “quem dentre vós me convence de pecado?” E ninguém podia responder porque a Sua vida era perfeita. Aqueles que conspiraram para O levar a julgamento tiveram que fabricar falsas testemunhas para o acusarem, porque Ele era sem culpa. Ele pôde confrontar a fúria total da tentação de Satanás e não ceder ao pecado. Ele “…foi tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado.”

Em segundo lugar a evidência do Seu Poder. O Seu poder era o Poder do Deus-Todo-Poderoso, o Poder que só Deus tem. Ele tinha Poder sobre as forças da Natureza. Ele podia acalmar tempestades no Mar da Galileia. Ele tinha Poder sobre doenças e enfermidades. Ressuscitou mortos, curou enfermos, restaurou vista a cegos e fez paralíticos andarem. Os Seus milagres eram um testemunho do facto de que Ele é o Senhor de toda a Natureza, “…pois Nele foram criadas todas as coisas… Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste.”

Em terceiro lugar, a evidência do cumprimento da Profecia. Centenas de anos antes do Seu nascimento os profetas do Antigo Testamento referiram o local exacto onde Ele haveria de nascer , a maneira como morreria e como seria sepultado. Inumeráveis detalhes da Sua vida foram previstos pelos profetas, e em todos os casos as profecias foram cumpridas. É por isso que Jesus podia dizer aos confusos discípulos a caminho de Emaús: “Ó néscios e tardos de coração para crer tudo o que os Profetas disseram! Porventura não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na sua Glória? E, começando por Moisés, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes o que a Seu respeito constava em todas as Escrituras.”

Em quarto lugar a prova da sua Ressurreição dos mortos. Jesus Cristo foi “…designado Filho de Deus com poder, segundo o Espírito de santidade, pela ressurreição dos mortos.” Os fundadores das diferentes religiões do mundo viveram, morreram e foram sepultados; em alguns casos ainda é possível visitar os seus túmulos. Mas Cristo está vivo! A Sua ressurreição é um facto. O seu túmulo está vazio, e é uma prova convincente e central da Sua divina natureza, única, como Deus encarnado.

Em quinto lugar a prova e testemunhos das vidas transformadas, desde a sua altura até hoje. A História ilustra de uma maneira viva o que a Bíblia claramente afirma, “… enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto. Quem o conhecerá?” A educação e a disciplina não podem fazer mais do que polir as arestas do egoísmo humano. Somente Cristo, o divino Filho de Deus, tem o Poder de transformar o coração do homem. E Ele fá-lo. Cristo pode pegar na pessoa mais carregada de pecado, mais egoísta e perversa, e trazer-lhe perdão e uma nova Vida. A Bíblia diz: “Se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.” O Seu Poder para transformar o coração do Homem é uma prova adicional da Sua natureza divina.

Sim, Jesus Cristo é quem disse que é: o próprio Deus em forma humana. E esta é uma verdade crucial que fundamenta a realidade da nossa Salvação. Somente o divino Salvador poderia morrer como Sacrifício perfeito e completo pelos nossos pecados. Somente o divino Senhor nos poderia dizer como deveríamos viver. Somente o Filho de Deus ressurrecto e que ascendeu aos Céus é digno da nossa adoração e do nosso serviço. “Nós confessamos Jesus Cristo como Deus, nosso Senhor e Salvador.”

Durante o Seu tempo aqui na Terra, Ele foi Deus encarnado, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem. Ele é de eternidade a eternidade. Jesus Cristo, através da sua morte e ressurreição, tornou-se o Evangelho. Como Seus embaixadores nós temos de O representar total e verdadeiramente em toda a Sua plenitude. Menos do que isto desqualifica-nos da nossa chamada.

O Credo Niceno, que resultou do Concílio de Niceia em 325 d.C., afirmou que Ele é “Deus verdadeiro de Deus verdadeiro … de uma só substância com o Pai.”

Pela Fé Jesus torna-se no nosso Senhor e Salvador. Todo o Poder no Céu e na Terra Lhe foi dado.

Portanto, apesar das nossas limitações humanas e até das nossas falhas, o Senhor está soberanamente a dirigir a Sua própria Obra redentora através do nosso evangelismo. E nós estamos ligados aos vastos recursos do Seu Poder não meramente para termos “o suficiente” nas nossas vidas e ministérios, mas para que “…em todas estas coisas, porém, sejamos mais que vencedores por meio Daquele que nos amou.” E tal como o contexto desta passagem inspiradora e encorajadora promete: Nada “…poderá nos separar do Amor de Deus que está em Cristo Jesus nosso Senhor.” Deus pode transformar as maiores tragédias em algo que seja para o nosso bem e para a Sua glória, porque “…sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito.”

Porque Jesus é Salvador, Ele nos salva do castigo do pecado. Porque Ele é Senhor, Ele nos dá, pelo Seu Espírito Santo, o Poder sobre o pecado ao caminharmos com Ele diariamente. E algures no futuro nos levará para estarmos com Ele, longe da presença do pecado. Somente porque Jesus é Deus e nós O confessámos como Salvador e Senhor, pode Ele dar, e nós recebermos, os acima mencionados benefícios e esta abençoada segurança e esperança.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s