Renascidos: James Hetfield

James Alan Hetfield, nasceu em 1963, numa família seguidora da seita “Ciência Cristã”, algo que na adolescência causou vários conflitos com o seu pai, Virgil Hetfield, pois James questionava os valores da ciência cristã. O seu pai era motorista de camiões e a sua mãe Cynthia, foi cantora lírica. Ela ajudou James nos seus primeiros passos na música. Chyntia faleceu de cancro em 1979 após recusar o tratamento médico, acreditando que a cura viria somente através da fé em Deus, e como tal, recusou todo e qualquer tipo de tratamento médico. James tinha 16 anos quando perdeu a mãe. Este episódio, naturalmente que criou nele uma tempestade interna, afastando-o de Deus. A música  “The God That Failed ” do famoso “Black Album” lançado em 1991 e a música “Until it Sleeps” do álbum “Load” de 1996 retratam esse episódio. Após 20 anos de dor interior afogada no álcool, e após um tratamento de abstinência do vício iniciado em 2002, James é desde então um homem renascido, um bom pai, um bom marido, abençoado e com uma atitude positiva perante a vida. A sua fé (embora não professada explícita e publicamente) é visível tanto em algumas das suas inúmeras letras como nas suas tatuagens: as palmas das mãos em oração junto ao nome dos filhos, uma cruz no centro, e a imagem de Jesus Cristo no seu braço esquerdo.

Em baixo poderá ler o testemunho do Pastor John Van Sloten da New Hope Church em Calgary, Canadá, que recentemente estudou todas as letras dos Metallica, e descobriu que nelas estão incluídos os mesmos sentimentos de raiva, dor, injustiça e mágoa que encontramos no Velho Testamento da Bíblia. No primeiro caso, são sentimentos que James exteriorizava, fruto do mundo podre em que vivemos, no segundo caso, são os mesmos sentimentos de Deus, perante os podres da Humanidade. O Pastor John publicou o seu estudo no livro: “The Day Metallica Came to Church: Searching For The Everywhere God In Everything”. O primeiro capitulo do livro em formato PDF e em inglês, pode ser visto aqui.

No vídeo em baixo poderá ouvir parte da análise clara e positiva do Pastor John sobre a temática lirica dos Metallica, e aquilo que lemos nas Sagradas Escrituras. Os nossos sentimentos mais negros vs. o amor, a esperança e o perdão.

Renascidos: Lacey Nicole Mosley

Lacey Nicole Mosley de 30 anos, também conhecida como Lacey Sturm, é a vocalista e principal compositora da banda de metal/rock alternativo Flyleaf. Ela revelou numa entrevista que as suas principais influências são os Nirvana, Metallica e Pantera.

Lacey nasceu em Arlington, Texas, tem 5 irmãos e é filha de mãe solteira. A família dela era pobre, ela era ateísta, e discutia muito com a sua mãe. Devido aos problemas e falta de rumo espiritual, Lacey experimentou drogas pela primeira vez quando tinha apenas 10 anos de idade.

Quando Lacey tinha 14 anos, ganhou um baixo no Natal e começou a tocar canções dos Nirvana e dos Green Day com seu irmão que tocava guitarra.

Aos 16 anos, ela foi expulsa de casa depois de uma discussão com a sua mãe, tendo se mudado para a casa dos avós em Gulfport. Nessa cidade, ela foi para o colégio e juntou-se a uma banda que estava a necessitar de um baixista. Passou a ser vocalista da banda e começou a compor as suas próprias canções.

Naquele mesmo ano, Lacey entrou em depressão e pensava em se suicidar, “Eu perdi o meu namorado, perdi meus irmãos e irmãs, perdi as minhas drogas. Eu realmente senti que era o fim. Então eu decidi  matar-me no dia seguinte”, disse Lacey. Mas a sua avó forçou ela a ir à igreja, e ela tornou-se cristã. “A minha vida mudou totalmente depois disso” afirma Lacey.

Em 2010, ela recebeu duas nomeações aos Grammy Award pelo trabalho que realizou com os Third Day. A canção “Born Again” foi nomeada nas categorias de “Melhor Canção Gospel” e “Melhor Performance Gospel”.

No mesmo ano recebeu uma nomeação na categoria “Hottest Chick in Metal”, no Revolver Golden Gods Awards 2010.  E os sucessos dela não param.

Oprah Winfrey : “Eu sou cristã”

A famosa apresentadora Oprah Winfrey, que havia declarado no passado que Jesus não é o único meio, confessou no seu programa ”Lifeclass Oprah: A Tour” que agora é cristã. Transmitido na última segunda-feira no seu canal televisivo OWN (Oprah Winfrey Network), o tema do programa foi “Soluções Espirituais”, e por duas vezes ela se mostrou alinhada ao cristianismo.

Eu não estou a falar de religião. Eu sou uma cristã. Essa é a minha fé. Eu não estou a pedir para você ser um cristão. Se você quer ser um eu posso mostrar-lhe como. Eu tenho respeito por todas as crenças. Mas o que eu estou a falar não é a fé ou religião. Estou a falar de espiritualidade”, disse Oprah Winfrey.

Winfrey disse que a sua definição de espiritualidade é viver a vida com o coração aberto, através do amor, e permitindo-se alinhar com os valores de aceitação, tolerância, da harmonia, da cooperação e da reverência pela vida. Ela disse que acredita que há um fio divino que liga espiritualmente para algo maior que nós mesmos.

“O meu verso favorito da Bíblia, é Actos dos Apóstolos 17:28. Diz: ‘Em Deus eu vivo e me movo e tenho meu ser’ “, disse Oprah. Eu não seria quem sou hoje sem uma consciência espiritual, sem valores espirituais e, finalmente, sem amor espiritual”.

Loving is my business – Megadeth

[Dave Mustaine – vocalista/guitarrista dos Megadeth]

Dave Ellefson falou recentemente sobre a importância do cristianismo na sua vida e sugeriu que o tema deve ser considerado também pelos fãs de metal. Quando questionado sobre o facto de ele e Mustaine serem cristãos e também sobre o momento actual da banda, Ellefson refere que «o metal não precisa ter apenas uma dimensão, que pode ser algo amplo e expansivo».

Dave Ellefson concordou que o facto de ele e Dave Mustaine serem cristãos pode ajudar a mudar a ideia preconceituosa de que Deus não combina com metal. “Em primeiro lugar, acho que a nossa reconciliação e a volta dos Megadeth tem muito a ver com nossa crença cristã, com certeza”, disse o músico referindo-se à discórdia entre ele e Mustaine, que o levou a deixar a banda durante alguns anos.

O metaleiro encerrou dizendo: “Esperamos que as pessoas vejam isso como um grande exemplo de dois homens deixando que o cristianismo faça parte de suas vidas.  Acho que dá para conseguir muito mais pelo exemplo do que ficar sentado falando o dia todo”.